Nutrição

Tenho diabetes e agora? Como conseguir controlar a diabetes?

A diabetes gestacional é caracterizada como uma intolerância à glicose que aparece pela primeira vez durante a gravidez e onde a mulher tem dificuldade em secretar insulina suficiente para compensar o aumento nutricional necessário para a gestação.
Muito bem, agora trocando por “miúdos”… a diabetes é uma desregulação do organismo que tem de ser controlada na gravidez para evitar problemas para a mamã e para o bebé.
Todas a grávidas já ouviram falar do “teste do açúcar” ou do “teste da diabetes”, a tão chamada PTGO (Prova de Tolerância à Glicose Oral). O rastreio é realizado entre a 24ª e 28ª semana de gestação com análises ao sangue.

E como se faz? Aí está a temível bebida com açúcar que têm de beber em jejum. O rastreio consiste na administração via oral de um soluto
glicosado com 50g de glicose em 200ml de água (açúcar e água, basicamente) e depois faz-se a colheita de sangue 1hora e 2horas após a ingestão para determinação da glicemia.

Após o diagnóstico deverá ser feita a monitorização da glicémia até ao final da gestação, segundo a orientação do médico.
Há realmente fatores não modificáveis que predispõem as mulheres à diabetes gestacional como a etnia, o peso anterior à gravidez, a idade e a história familiar de diabetes. Por outro lado existem, e é aí que entra o principal objetivo deste artigo, os fatores modificáveis como o excesso de peso, a prática de atividade física e os estilos de vida (neste caso, a dieta).

Assim sendo, mamãs e futuras mamãs vamos lá a algumas orientações para evitar e/ou controlar a diabetes:

  • Faça no mínimo 6-7 refeições por dia.
  • Pequenos lanches a meio da manhã e da tarde ajudam no controlo do apetite e evita tempos de jejuns muito prolongados.
  • Inicie as refeições principais com uma sopa de legumes (além de baixo teor de hidratos de carbono, tem adequado aporte de fibra, ajuda na regulação do trânsito intestinal e dá mais saciedade).
  • No prato sirva primeiro os legumes ou salada, ocupando ½ prato, a outra metade deve ser ocupada por ¼ de arroz, massa ou batata e por ¼ de carne, peixe, ovos ou opção vegetariana.
  • Opte pelos cereais integrais (pão, flocos de cereais, massa, arroz) uma vez que têm mais fibra, são mais saciantes e a absorção é mais lenta. Evite os cereais refinados.
  • Ter atenção aos cereais na versão “sem açúcar”, “integrais” porque a quantidade de gordura normalmente é superior. Analise o rótulo e por 100g deverá ter <13g de gordura e <5g de açúcares.
  • A batata-doce em relação à batata normal é uma boa opção porque tem mais fibra mas deve ser comida em moderação.
  • Opte por comer 2-3 porções de fruta/dia. Atenção aos sumos de fruta que não é o mesmo que comer a fruta inteira, porque são utilizadas mais quantidades de fruta e a quantidade de fibra é menor.
  • Opte pelo leite meio-gordo ou magro e por iogurtes magros, 0% adição de açúcar e queijos com <45% gordura.
  • Evite ao máximo os refrigerantes, bolos, bolachas recheadas, chocolates, rebuçados, gomas, mel, sobremesas.
  • Evite a adição de açúcar (seja branco, mascavado, de côco,…).
  • Leia sempre os rótulos dos alimentos, evite os que contêm na sua composição açúcar, mel, sacarose, sucrose, melaço, xaropes, açúcar de coco.

Estas recomendações parecem clichés mas cumprir tudo há risca quer antes, durante a após a gestação não é fácil…e também para quê complicar a alimentação quando pode ser tão simples?
Caso tenha predisposição ou esteja com diabetes gestacional não se esqueça de ser vigiada tanto no médico como na nutricionista. A adesão ao plano alimentar individualizado é fundamental para um bom controlo glicémico e deve fazer parte do estilo de vida da grávida e da recém-mamã.


Ah e atenção!

As grávidas com diabetes gestacional têm um risco maior de desenvolver diabetes tipo 2 no futuro após a gravidez. Cuidem-se!

Partilhar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.