Diário da Mãe

Sim Mãe, tens direito a estar cansada!

Tu que és mãe e estás a ler isto. Sim tu!

Sentes-te cansada? Tens dias em que só te apetece desaparecer e ter um momento contigo própria? Não, não tenho nenhum medicamento para ti. Nem é nenhum anúncio para umas vitaminas milagrosas. Mas quero conversar contigo.

Deixa-me começar por te dizer uma coisa! É normal, faz parte mas nunca ninguém te ensinou a lidar com isso.

A maternidade é o papel mais bonito e importante da vida de uma mãe. O problema é que este papel não é tão romântico como a sociedade e as redes fazem transparecer. De certo que já viste algumas “influencers” com filhos pequenos, sempre super arranjadas, com um óptimo ar e com uma aparência nada cansada e que o mundo ali é só cor-de-rosa. Mas não te iludas! Não é a maternidade real. E há sempre algo por detrás dessa imagem espetacular.

Ser mãe dá muito trabalho. Aliás, é o trabalho mais trabalhoso do mundo! E será que basta o sorriso da criança para aliviar todo o cansaço? Há dias que sim. Há dias que não.

Será que parece assim muito mal se disser que amo o meu filho acima de tudo e todos mas, tenho saudades de ter tempo só para mim?

Nós mulheres, regra geral achamos que conseguimos fazer tudo, dar conta de tudo… e por mais que o nosso marido / companheiro seja participativo e ativo nos cuidados da casa e dos filhos, há coisas que claramente é a mãe que tem de pôr lá o “dedinho”. Ainda para mais quando os nossos filhos passam por aquela fase “boa” de só quererem a mãe e se a mãe se ausenta 2 minutos para ir ao wc fazer um “xixizinho” é drama na hora.

Tendo em conta que assim é e não paramos 5 minutos durante o dia para nos estatelarmos no sofá a ver uma série ou simplesmente para “pastar” será que não nos podemos sentir cansadas? E mesmo que consigamos parar um bocadinho durante o dia, será que é o suficiente para recuperarmos as forças? Não, não é. São muitas noites a dormir menos bem, são muitos dias acumulados de coisas para fazer e o descanso nunca mais será igual. Pelo menos vá, durante uns aninhos…

Será que parece assim muito mal se disser que amo o meu filho acima de tudo e todos mas, tenho saudades de ter tempo só para mim? De não ter de pensar em nada, não ter responsabilidades… Será que isto é egoísmo?

Claramente que não. Chama-se amor próprio. E só nós estando bem é que os nossos filhos também vão estar. Parece cliché do séc. XXI porque antigamente as mulheres aguentavam tudo e não havia cá descansos. Ah, e também tinham 10 filhos. Mas, nós não somos mulheres do antigamente. As responsabilidades atuais são completamente diferentes.

“Mas ser adulto não é isso? Não é ter responsabilidades?” ou “Já sabias que quando fizeste um filho ia ser assim!” são as perguntas ou comentários que deves estar habituada a ouvir porque infelizmente, empatia precisa-se! Claro que sabemos que quando temos um bebé na barriga nunca mais nada é igual. As responsabilidades quadruplicam, as preocupações não nos saem da cabeça, andamos sempre com o coração nas mãos seja pelo que for mas só conseguimos sentir isso na pele quando experienciamos tudo isto na 1ª pessoa. E não, quando fazemos um filho não imaginamos o tipo de cansaço que nos vai assoberbar.

Hoje sinto-me verdadeiramente cansada. Muito agradecida por poder estar em casa com o Henrique e de poder ter tomado esta decisão, mas cansada. E não há problema nenhum em assumir isto.

A rotina é diferente. As saídas de casa não acontecem exceto para recorrer a bens essenciais. O Henrique com 22m (sim eu nem acredito que já está quase com 2 anos) e cada vez mais exigente no que diz respeito às suas próprias necessidades e afirmações de personalidade.

Levamos um dia de cada vez e tentamos ao máximo fazer algo diferente todos os dias mas, as ideias estão a escapulir e o baby cada vez com mais energia. E claro, há dias em que o cansaço ganha (como hoje) mas também há dias em que estamos em altas!

Isto tudo para vos dizer o quê? Que todo este cansaço é normal. Chato, mas normal. Faz parte. Ninguém nunca nos ensinou a gerir estes sentimentos e as frustrações da vida. Não há curso nenhum que nos diga o que fazermos quando acusamos este cansaço. E muito menos em tempo de pandemia onde a nossa liberdade está claramente inibida. De certo que desejas tanto como eu sair de casa, ir passar uns dias fora e apanhar outros ares. No entanto, deixo-te um conselho: durante o teu dia, independentemente se estás em casa com o teu filho a tempo inteiro ou estás em teletrabalho ou estás no teu local de trabalho, tira 30 minutos só para ti! Para fazeres o que bem te apetece. Ganha força e coragem e bora lá! Por aqui, escrever para ti, manter este projeto que tanto amor lhe ponho e que é o meu 2º bebé, é um dos meus “escapes” (e já ando desejosa de partilhar o que ando a preparar mas ainda não posso!).

Mas escrevo-te hoje porque quero que saibas que não és a única. Que estamos juntas no caminho da maternidade e que aqui, podes encontrar um cantinho onde podes desabafar e mandar tudo cá para fora. Estou aqui para te ouvir enquanto mulher, esposa e mãe. E não te esqueças… Sim, tens direito a estar cansada! Porque uma “mãe cansada não está cansada de ser mãe!”.

Partilhar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.