Fisioterapia materno-infantil

O Regresso à “normalidade” no Pós-Parto

O pós parto … A avalanche de emoções, de mudanças que nos paralisam, mas ao mesmo tempo nos transportam para uma bolha de amor!

Este período tão invisível ao olho do outro (expressão tão sabiamente utilizada pela Laura Gutman) e tão arrebatador no interior da mulher.

Analisando friamente o período pós parto pode-se verificar que a atenção está inteiramente virada para o bebé, porquê?

Por exemplo, reparem que o bebé tem consultas (quase) mensais durante os primeiros 6 meses de vida e a mulher é observada uma vez 6 semanas após o parto. E também se sente a grande diferença neste sentido: raramente quando vamos visitar uma recém mamã perguntamos como é que ela se está a sentir, se precisa de ajuda, muitas vezes bombardeamos com conselhos sem a ouvir.

Voltando um pouco à minha área… Entender o nosso corpo pós parto requer um auto-conhecimento do mesmo, e também uma avaliação por parte de um profissional qualificado.

E é neste momento que vos vou falar da importância da fisioterapia pélvica no pós parto. Conhecer o vosso corpo e como funciona é sempre crucial, especialmente após a gravidez e o parto. Para isso é importante que haja uma avaliação minuciosa do corpo para perceber quais as mudanças inerentes à gravidez e do processo de parto (seja vaginal ou cesariana). E não estou a falar “apenas” do peso corporal ou se tem ou não força nos músculos do pavimento pélvico (também conhecido como períneo), não descurando a sua importância.

Assim, esta consulta consiste em quê?

Primeiro que tudo é talvez a primeira vez que a mulher irá relatar o seu parto, como foi, o que sentiu, e também como foram os primeiros dias. Será também um espaço em que irá partilhar se tem alguma queixa, o motivo pelo qual marcou a consulta, e/ou dúvidas.

Na maioria das vezes, é nesta consulta que a mulher aborda o tema sexo no pós parto, talvez porque na consulta médica 6 semanas após o parto a mulher não está de todo preparada para iniciar a vida sexual por inúmeros motivos ou nem sequer aprofundou o assunto com o(a) seu (sua) médico (a). E está tudo bem! O que é normal para uma mulher pode não ser normal para outra. E por isso mesmo não gosto nada do conceito “normalidade” – mas isto pode ficar para outro tema J

De seguida, avaliamos o corpo como um todo! O que é que isto quer dizer? É avaliada a postura corporal, a mobilidade corporal, a mobilidade diafragmática, a mobilidade da pélvis, a força, flexibilidade e tónus dos músculos do pavimento pélvico, a mobilidade das cicatrizes (se tiver), a competência abdominal. No fundo, analisa-se o corpo todo e o impacto das mudanças que decorreram durante a gravidez e o parto no mesmo.

Dá para perceber que a avaliação da fisioterapia pélvica é muito mais do que avaliar o períneo, não dá?

Nutrir o nosso corpo e a nossa mente com movimento e auto-conhecimento deveria ser obrigatório durante o período pós parto!

Termino este texto com alguns lembretes:

Dá tempo! Reconecta-te! Respira! E sobretudo, cuida de ti!

Partilhar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.