Odontopediatria

Bruxismo infantil

O bruxismo está entre as condições clínicas em medicina dentária que motivam a procura do Odontopediatra.


O bruxismo é a atividade involuntária parafuncional, que é produzida pela contração rítmica e espasmódica de vários músculos envolvidos na mastigação, e que é caracterizada pelo ranger ou apertamento dos dentes durante o sono noturno ou mesmo durante o dia.
Quando se manifesta durante o sono, recebe a denominação de bruxismo do sono, se for manifestado durante o estado acordado, é denominado bruxismo em vigília.

O bruxismo do sono geralmente traduz-se por apertar ou ranger dos dentes, enquanto o bruxismo em vigília por apertamento semi-voluntário.


Hoje em dia, dependendo da sua ocorrência, o bruxismo pode ser um comportamento do sono, uma atividade protetora ou ainda sinalizadora de outras questões de saúde.


Estudos relatam uma prevalência de 40% em pré-escolares de 3 a 6 anos de idade, de 17% na faixa de 6 a 7 anos e 24% na faixa dos 8 aos 9 anos, com redução descrita com o aumento da idade e sem diferenças entre géneros.


Por norma o ranger dos dentes ocorre durante a noite, devido a períodos de preocupação, stress e excitação, apresentando um ruído notável e preocupante para os pais.

Quais as causas desta condição?

As causas do bruxismo infantil podem ser:

  • Fatores emocionais, como stress, hiperatividade, preocupações escolares, nascimento de um irmão, divórcio dos pais;
  • Fatores oclusais, quando existem interferências nos dentes que impedem um correto encaixe;
  • Fatores sistémicos, podem estar relacionados com a respiração oral, deficiências nutricionais e distúrbios neurológicos;
  • Fatores hereditários;
  • Fatores alimentares, causados por a criança não mastigar alimentos consistentes e não usar a função mastigatória.


Dos fatores associados, o stress talvez seja o mais citado de todos. Mas atualmente o stress aparece mais ligado ao bruxismo em vigília do que ao bruxismo do sono.
Obstruções de vias aéreas superiores talvez seja o fator associado mais estudado e que está relacionado ao bruxismo do sono infantil. Crianças com asma, quadros alérgicos e edemas obstrutivos de repetição nas vias aéreas superiores tendem a desenvolver bruxismo, uma vez que o movimento mandibular feito nos episódios de bruxismo parece aumentar a permeabilidade das vias aéreas.
Episódios de bruxismo podem também aparecer concomitantes a episódios de refluxo gastroesofágico, que ocorrem durante os micro despertares do sono, juntamente com a deglutição.

Os hábitos de sono da criança também parecem influenciar na ocorrência do bruxismo do sono.
Crianças que dormem menos de 8 horas de sono por noite, em quartos com luzes acesas e presença barulhos, tiveram mais risco de apresentar bruxismo do sono.


Nos casos de crianças com bruxismo do sono a investigação sobre a qualidade do sono da criança deve ser realizada com posterior orientação sobre higiene do sono:

  • Proporcionar um ambiente tranquilo antes do sono;
  • Evitar que a criança veja televisão, esteja no computador ou jogue videojogos ante de ir para a cama;
  • Ler uma história antes de dormir;
  • Evitar deixar luzes acesas;

Existem ainda estudos que referem que é comum as crianças rangerem os dentes por uma necessidade natural do organismo se preparar para a troca de dentição.

Quais os sinais e sintomas mais frequentes?

Os sinais e sintomas mais frequentes do bruxismo são:

  • Desgastes e fraturas dentárias e fratura de restaurações;
  • Hipersensibilidade;
  • Mobilidade dentária;
  • Hipertrofia dos músculos envolvidos na mastigação;
  • Dores de cabeça recorrentes de manhã ao acordar.
  • Dores e distúrbios na articulação temporo-mandibular (ATM);


Pode existir necessidade de proteger as estruturas dentárias. O dispositivo intraoral mais comumente chamado de “goteira para bruxismo”, deve ser feita de acrílico rígido e não de material resiliente.
A goteira deverá ser utilizada enquanto a criança apresentar bruxismo do sono que, em alguns casos, pode perpetuar-se até a vida adulta.


No período da dentição decídua, as goteiras não parecem ter indicação visto que o desgaste nos dentes temporários não chega a provocar nenhuma condição patológica.

Dra. Rita Ramos

Médica Dentista, Especialização em Odontopediatria

Partilhar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.